Por Charô Lastra

Agora que a África é tendência, ao invés de termos um aumento no número de modelos negras contratadas, temos presenciado um aumento alarmante da blackface no meio fashionista. O caso da vez é a Vogue Holanda que pintou o rosto de uma modelo para homenagear o trabalho Marc Jacobs para Louis Vuitton, inspirado na inesquecível Josephine Baker.

Obviamente é uma atitude friamente calculada. É justamente por causa da blackface que essa edição da revista será tão comentada. Como a informação é cada vez mais volátil, é preciso que marcas, políticos e personalidades da mídia criem factoides para estar em constante evidência. O problema é que em nome de uma desejável superexposição, mais do que nunca tem se usado falas e instrumentos historicamente preconceituosos.

Em poucos casos acontecem retaliações em função da ignorância, da impunidade. Também contribui a ideia equivocada de que a arte, esse instrumento sublime acima de qualquer suspeita, possa ser racista. Quem não se lembra da briga pra reconhecermos que Monteiro Lobato… Bem, vocês sabem. É por isso que preciso começar esse post explicando en bref a origem da blackface.


I. A BLACKFACE COMO ESTEREÓTIPO RACISTA

William H West, um clássico da cultura racista William H West, um clássico da cultura racista

A blackface é muito mais que pintar o rosto, ela aumenta a viscosidade do preconceito, fazendo que ela caiba em qualquer espacinho. Seu apogeu foram as representações estereotipadas de pessoas negras por menestréis brancos nos Estados Unidos e Inglaterra durante os anos de 1830-1890. Desde sua origem, a prática contribuiu para a disseminação de preconceitos, estereótipos e ideias racistas, o que a diferencia substancialmente do que acontece em Otelo por exemplo.

A personagem Mungo (The Padlock, Londres, 1768) era blackface que compos o retrato de um trabalhador doméstico bêbado e insolente. Acredita-se que essa tenha sido uma das primeiras caricaturas de um dandy negro, o que me recorda a construção cômica que Tarantino usa para o momento em que Django Livre escolhe suas primeiras roupas de homem livre. Como o figurino das duas personagens é praticamente o mesmo, fico muito feliz de o primeiro ato de vingança do filme seja praticado com essa roupa.

Um pequeno exemplo para mostrar a influência da blackface difundida por menestréis desde os clássicos como William H. West. A lista é praticamente infindável. Fred Astaire como Bill Robinson em Ritmo Louco, Joan Crawford em Torch Song, Dan Ackroyd em Trocando as Bolas. Por aqui a caricatura racista também se tornou lugar comum nas noites de sábado, com as revoltantes interpretações de Rodrigo Sant’Anna como Dona Adelaide e Valéria Bandida.


II. A BLACKFACE COMO EXCLUSÃO

Vogue Holanda, cada vez que a mulher negra é homenageada, ela deixa de ser contratada como modelo Vogue Holanda, cada vez que a mulher negra é homenageada, ela deixa de ser contratada como modelo

Apesar de a blackface ser uma aposta historicamente controversa, alguns profissionais da moda tem usado esse instrumento para mostrar seu apreço. Por aqui o caso mais recente é o do estilista Ronaldo Fraga que cobriu a cabeça das modelos brancas para dizer que o cabelo crespo pode ser uma escultura. Muita gente argumentou que a reação ao desfile foi desmedida, que não se tratava de um retrato caricato da mulher negra.

Bom, se associar nosso cabelo com palha de aço não é fortalecer um estereótipo, não sei o que é. Porém, para explicar porque a blackface dificilmente é uma homenagem, utilizarei o caso da Vogue Holanda. O problema nem é o material imagético em si, mas o fato de que não se contrata modelos negras nem mesmo quando a negritude é a vedete dos discursos de beleza. Simplesmente não somos bem-vindas nas revistas, nas passarelas e nos blogs especializados.

É exatamente esse tipo de exclusão que retroalimenta e naturaliza o preconceito, que o torna invisível até mesmo para quem é oprimido ou beneficiado por ele. É exatamente assim que se preserva todos os espaços de poder, sejam eles acadêmicos, políticos, midiáticos ou corporativos. Quantos de nós, diante de uma banca de jornal onde são representados todos os tipos nórdicos, perguntariam a si mesmos onde estão as mulheres negras?

Quantos de nós pensarão sobre isso amanhã?


III. BLACKFACE? YES WE CAN!

blackface

A blackface tem sido subvertida.

Nate Hill, um jovem artista estadunidense, criou uma brilhante performance chamada Embaixador Branco – vestido de terno e com o rosto pintado de branco, ele sai pelas ruas do Harlem abordando pessoas brancas e dizendo que alguns negros pensam que gente branca cheira mal, que ele pretende defendê-los na figura de seu embaixador. Beyoncé também aderiu ao instrumento, africanizando-se para rebater as críticas de que é branca demais para ser uma negra.

O interessante é que a blackface praticada por negros, latinos e orientais coloca pessoas brancas (e negras) em contato com a branquidade (ou branquitude) como etnicidade – um conjunto de afinidades culturais, linguísticas e até mesmo biológicas. Não se trata de um processo inofensivo pois traz à baila uma série de privilégios dos quais muitos se beneficiam, sem reconhecer consciente, filosófica e politicamente que realmente existam.

Alguns dirão que é racismo. Afinal, porque as minorias podem pintar o rosto de branco? Racismo! Concordo que a blackface sempre carrega um componente de preconceito, afinal é uma caricatura, quase sempre indesejável. Porém, confesso que me interessa sobremaneira quando denuncia privilégios e opressão mesmo sabendo que essa opinião pode ser desconfortável para muita gente.


IV. MUITO MAIS

Conheça uma uma estranha (e racista) tradição natalina holandesa e um experimento sobre dois ladrões de bicicleta, um homem branco e um negro.Leia a resenha de Slaves to Fashion: Black Dandyism and the Styling of Black Diasporic Identity e o paper White means never having to say you’re ethnic de Pamela Perry. Também recomendo Branquitude acrítica e crítica: A supremacia
racial e o branco anti-racista de Lourenço Cardoso.

Isto espera ter sido útil, até o próximo post.