Por Jarid Arraes para as Blogueiras Negras

A sexualidade é um campo diverso e subjetivo e, por isso, nada a seu respeito é unânime. A construção sexual de cada pessoa é única, não podendo jamais ser caracterizada de forma universal. No entanto, a reação da sociedade com relação à sexualidade feminina costuma ser bastante semelhante para diversas mulheres no mundo. Isso se dá em grande parte por conta das influências do patriarcado. Esse sistema de organização social subjuga todas as mulheres, mas o quadro é especificamente complicado para as mulheres negras.

Todas as mulheres são objetificadas culturalmente e usurpadas de qualquer autonomia. Para elas, há um processo compulsório a ser vivido para que a soberania sobre a própria sexualidade seja retomada das mãos do patriarcado. É necessário um esforço extremamente desgastante para conseguir sair da posição de objeto, sem direito a voz, e obter competência sobre a própria vida sexual.

O MACHISMO CONTRA A MULHER NEGRA

A forma como a manutenção sobre a sexualidade feminina é exercida varia de acordo com as outras interseccionalidades da mulher em questão. Uma mulher negra sofre os efeitos do machismo e do patriarcado de forma diferente de uma mulher branca. Um bom exemplo para se refletir está no caso da Quvenzhane, uma garota negra de 9 anos que foi chamada de “cunt” (uma palavra derrogatória para se referir às mulheres, mais ou menos equivalente a “buceta” em português) em um site de paródias de notícias. A reação das pessoas foi de relevar a ocorrência por se tratar “somente de uma piada”. Mas quando uma mulher branca diz a mesma palavra na televisão, as pessoas se chocam. Essa diferença na percepção das situações não é livre de influências socioculturais e, por isso, mesmo que inconscientemente, muitas pessoas conseguem relevar o caso da Quvenzhane – apesar de ser uma criança e vítima de violência de cunho sexual – somente pelo fato dela ser negra.

Nos dois casos, as garotas são dominadas pelo machismo e tratadas como seres sem autonomia. O controle sobre a menina branca é feito de forma pretensiosamente protecionista, enquanto a menina negra é visivelmente hostilizada. Isso nos leva a refletir sobre a própria idéia de resguardo sexual na infância: uma menina branca deve ser resguardada de qualquer expressão de sexualidade, mas para uma menina negra é considerado aceitável a exposição de sexo ou violência, levando-a muitas vezes a situações de abuso sexual.

A COR DO PECADO

A mulher negra é cercada de dicotomias quando o assunto é seu corpo: por um lado, há um misto de invisibilidade e indesejabilidade quando o corpo feminino é negro, pois no mercado erótico, nas revistas masculinas e na representação midiática prevalecem as mulheres brancas e loiras como mulheres desejáveis. Mamilos, axilas e genitais negros, por exemplo, são considerados asquerosos, havendo uma infinidade de produtos com o fim de clarear essas partes. As qualidades sexualmente desejáveis são sempre aquelas associadas ao corpo da mulher branca e mesmo as características consideradas ruins, como cabelo crespo ou nariz largo, são muito mais toleradas em uma mulher de pele clara.

Nas raras ocasiões em que a sociedade expressa algum desejo por mulheres negras, é quase sempre pela idéia de que a mulher negra é um “sabor diferente” e “mais apimentado” de mulher. O corpo feminino negro é hipersexualizado e considerado exótico e pecaminoso. Quem nunca ouviu falar que a mulher negra tem a “cor do pecado”? Essa é a brecha que sobrou para que o patriarcado continue a impôr o racismo às mulheres negras: a dicotomia do gostoso, exótico e diferente, mas que ao mesmo tempo é proibido, impensável, pecaminoso e não serve para o matrimônio ou monogamia. Nossa sociedade já considera geralmente que o racismo é algo ruim; o problema, em grande parte, está em identificar o racismo dentro de atitudes e políticas do dia a dia. E segregar sexualmente as mulheres negras também é uma forma de racismo, mas é socialmente aceitável em pleno século XXI.

OBJETIFICAÇÃO SEXUAL PRECOCE E O ESTIGMA DA PROMISCUIDADE

Desde cedo, a garota negra é simbolizada sexualmente. Afinal, ela é considerada mais provocativa do que a garota branca: tem a “cor do pecado” e não é “a garota certa para relacionamentos”. As meninas e adolescentes negras são vistas sob um olhar objetificador, são as maiores vítimas da exploração sexual e, uma vez que a grande maioria provém das camadas mais pobres – vestígios racistas inegáveis de uma sociedade escravocata -, são inseridas muito cedo no mercado da prostituição forçada, sendo vendidas e trocadas por valores desprezíveis.

Por esses fatores, a garota negra cresce com o estigma de ser promíscua. E a verdade é que a sociedade não reflete sobre a objetificação e exploração que impõe às garotas negras, ela apenas reforça seus conceitos racistas de exotificação e condena a mulher negra a uma vida em que sua sexualidade será sempre sua algoz. É essa garota negra que será usada como bode expiatório para opiniões machistas sobre gravidez na adolesência e também é essa mulher negra que será eternamente a mãe solteira, sem marido e sem moral.

DIFERENÇAS CULTURAIS

Seria incoerente analisar a sexualidade da mulher negra com a mesma ótica que observamos a mulher branca. Há fenômenos socioculturais específicos de uma população negra, especialmente dentro de um contexto de segregação e classe social, como pode ser visto no caso do funk, considerado “música de pobre” pela população rica e branca. Essas especificidades podem funcionar ao mesmo tempo como opressoras e empoderadoras para mulheres negras.

Para tomar o poder sobre sua própria sexualidade, a mulher negra pode e deve agir de maneiras diversas. Sua sexualidade não se encaixa num molde e nem é assunto para apenas um texto. As nuances são muita e a complexidade é grande. É preciso expôr e falar mais sobre o assunto, pois o empoderamento da mulher negra sobre seu próprio corpo e sexualidade encontra um obstáculo monstruoso: o racismo. Ser dona de seu desejo sexual não é uma tarefa fácil. Somente quando o racismo for derrubado, haverá espaço para que a mulher negra consiga ser sexualmente livre.

É importante lembrar que quando o assunto é sexualidade feminina, nenhuma mulher tem sua autonomia concedida pelo patriarcado. A necessidade não é de negar a objetificação, exploração e violência cometidas contra a mulher branca, mas saber que há contextos diversos. A mulher branca, a negra, a indígena, a indiana, a japonesa, a sul-africana etc., cada uma delas sofre exploração sexual, objetificação, estupro e negação de autonomia, mas a forma como isso acontece sofre nuances devido não apenas à etnia, como também à religião e classe socioeconômica. A forma mais eficiente para combater esse tipo de violência é compreendendo as necessidades mais importantes de cada contexto e lidando diretamente com as especifidades de cada um. É preciso conhecer mais e promover discussões mais abrangentes, assim como ações e políticas públicas que atinjam o alvo.


Jarid Arraes é educadora sexual, especialista em sex toys, escreve no Mulher Dialética e no Guia Erógeno.


Acompanhe nossas atividades, participe de nossas discussões e escreva com a gente.

RssGrupo de discussãoPágina no facebookTwitterGplusEmail

  • Alexandre Bolfarini

    Com certeza. Quando é tão forte o preconceito o estigma, a própria vítima deles acaba procurando se adequar ao padrão imposto, numa inconsciente tentativa de buscar aceitação.
    É preciso, na medida do possível, recriar esse imaginário coletivo. Penso que a associação entre a mulher negra e a figura da mãe primordial, assim como a atividade de curandeira no nosso passado recente, entre muitas outras referências dignas, ajudaria a diminuir a força desse preconceito.
    Vocês, mulheres negras, são maravilhosas! Em todos os sentidos!

  • Dani

    Pois é…eu sou lésbica e já passei por várias situações em que fui descartada como pretendente apenas por ser negra. Não é algo fácil com que se lidar.

  • Sandra Vivian Fernandes Vituriano

    Hoje tenho 37 anos e me conheço muito mais. Também já passei por atitudes ruins no quesito sexualidade, mas ao contrário de algumas colegas que ouviram coisas ruins de homens brancos, comigo foi o contrário, foram os homens brancos que mais me respeitaram e me incentivaram, seja no que for. Sou negra com muito orgulho, mas até agora só encontrei negros que me depreciassem e que me deixaram bem claro, dizendo com todas as letras na minha cara, que “mulher negra e independente é apenas para diversão, não serve para casar”.

  • Jessi

    Brilhante texto!
    Não devemos mudar para os outros de fora pra dentro e sim de dentro pra fora. Pois a essencia, os valores, a aceitação de sua beleza como é são essenciais e a luta pelo respeito é constante nessa sociedade machista, egoísta, preconceituosa e consumista.

  • Rosana Santos Jotta

    Sou mulata, carioca, e tenho 52 anos, o maio preconceito que vivi foi durante meus tempos de universidade em SP dentro da USP. São tantas coisas, esta semana estive pensando sobre isso, sobre o fato de viver armada contra os homens, pois vivo em um meio com pouquíssimos negros, em como odeio ser olhada como um pedaço de carne, receber “elogios” do tipo “morenão”, “corpão”, “você é morena”, a mais de uma década moro em MG, e devo dizer que a coisa é feia, os resquícios da escravidão estão por todo lado, nas mentes, nos corações. Saindo de uma palestra ouvi de uma dama da sociedade mineira, mulher de médico, intelectual e artista(…): _Rosana, sabe o que mais admiro em você? Sua bunda. Só Deus na causa! Quase engoli a criatura e respondi: _ Isso é porque você é burra!Minha bumda é linda mas tenho coisas ainda melhores!
    Parabéns pelo texto, porque além de tudo pouquíssimas pessoas querem falar sobre isso, mesmo negras, alias sofrer preconceito por parte dos negros é incrível e super comum infelizmente.
    Tudo muito triste.

  • Samantha Rodrigues

    Ótimo texto!!!

  • Allan Guns

    Excelente texto!

  • Vanessa Soares

    Belo texto e compreensão. Penso, que é um fato que cada uma de nós, mulher negra entende a representação de nossa sexualidade neste discurso. No entanto, discutir o desejo e sexualidade é algo emergente para nós, enquanto estratégia contra a dominação e a docilidade assimétrica imposta aos nossos corpos. Pensar sexualidade, ainda hj, continua sendo uma categoria branca, heterocentrica e monogâmica – cristalizada por este discurso que continua a nos fazer invisíveis. Recuperar o nosso poder e sensualidade é recuperar um corpo ancestral coletivo, forte e insubmisso que circulava e gozava desta estrutura. A urgência, para mim, é saber quem sou e o que quero, o que me faz ser Senhora de mim.

  • simei ferreira

    Entao eu nao posso admirar a beleza da mulher negra?????

    • larissantiago

      Simei, não se trata de admirar ou não a mulher negra. O que está exposto no texto de Jarid é a contradição que há na sociedade: a mulher negra é hipersexualizada, morando no imaginário dos homens ao passo que essa mesma mulher não aparece nas revistas, não é representada nas novelas e se torna vítima dessa imagem – da mulher que só é gostosa.

      Admirar a mulher negra não é só achá-la gostosa e sensual, não é?

  • Sabrina

    Jarid,

    muito obrigada por esse texto! Há tempos venho refletindo sobre essa questão e em específico sobre a corporalidade da mulher negra, nesse local de livre acesso, de permissividade onde se naturaliza a violência sexual por conta do racismo e o machismo.

    Precisamos problematizar mais mesmo esse debate, pois isso tem implicações profundas e deletérias na auto-estima e nas relações afetivas das mulheres negras. Fiquei instigada com a idéia de ampliar essa discussão… conte comigo!

    Grande abraço.

  • Itajana Leal

    A pouco tempo comecei a observar que sim sou vítima de preconceito racial e sempre fui, antes alienada pela mídia mal percebia isso. Gente, alguns homens criam um símbolo de mulher para casar além de exibir para os outros, sair de mãos dadas nas ruas etc… são sempre mulheres brancas, cabelos lisos, magras, símbolos apologéticos na mídia, Passei diversas vezes por isso sem notar o preconceito inserido em comentários relacionados a algo desse tipo, ou vergonha de admitir o que realmente era.

  • Jarid Arraes

    Vicky, Raquel, Silvia e Larissa, muito obrigada pelos comentários e por tudo o que compartilharam! Que a gente possa crescer sempre mais, com bastante diálogo e empatia.

    Beijos!

  • larissantiago

    Parabéns Jarid.
    Você conseguiu escrever exatamente o meu pensamento dicotômico sobre a sexualidade da mulher negra. E falar sobre isso abertamente é um grande passo.
    Obrigada de verdade

  • Silvia

    O texto é fantástico.já senti na pele,o que a Raquel disse,pois também já fui casada com um homem branco que pensava e deixava nas entrelinhas essa forma de pensamento,mas também já ouvi expressões,de homens negros,que “preferem as mulheres negras,poque elas são mais quentes”,enfim,é a visão machista e patriarcal.

  • Raquel

    Concordo em gênero, número e grau! Acho que na classe média isso é ainda mais visível, pelo menos por experiência própria rsrs ah sim, quando era casada, meu ex-marido – branco – me disse em uma das brigas, algo como “você devia estar feliz simplesmente por estar casada, não importa se te sacaneio, já que mulheres negras não se casam; você não vai conseguir ninguém, ainda mais alguém melhor que eu”. Doeu perceber dentro de casa esse tipo de pensamento… Ainda bem que passou!
    (Tem uns textos ótimos sobre isso do Alex Castro)

  • Ótimo texto!
    Eu sempre senti que a mulher negra fica sempre nos extremos no ponto de vista dos outros quando o assunto é sexualidade. Ou é sexualidade nula, no estilo “nem vejo como potencial ficante/namorada” ou é hiperssexualidade “preciso experimentar todo mundo diz que é FORA DO COMUM”.