Desde o começo das nossas publicações, explicitamos que o Blogueiras Negras é uma comunidade de mulheres comprometidas com questões afins à negritude e ao feminismo. Nossa organização é muito simples e toda mulher negra e afrodescendente que se identifique com a nossa proposta pode participar de nossa comunidade e escrever com a gente.

Nesse sentido, uma das nossas constantes preocupações é incluir a polifonia de vozes que o ser mulher engloba. O que temos feito desde então é receber as demandas de mulheres negras, às quais, nem sempre, o feminismo tem sido acolhedor. Estamos atravessadas diariamente pela questão racial e, consequentemente, social nas nossas vivências.

Tão específicas como podem ser nossas existências, permeadas por opressões de toda sorte, determinando os trabalhos que exercemos, o (in)acesso à saúde, direitos reprodutivos e planejamento familiar, nossas sexualidades e relações afetivas, a educação dos nossos filhos, a locomoção e acesso aos espaços das cidades em que vivemos, nossa alimentação e subsistência.

Assim tem sido a trajetória, ainda iniciante, mas muito feliz, da comunidade Blogueiras Negras. E estando felizes com nosso alcance e percebendo que nossas inquietações são tão comuns a outras mulheres, às quais temos acessado através das nossas palavras, ideias e dúvidas e, por isso mesmo, queremos expandir, incluir mais, dar mais voz.

Queremos ter entre nós vozes que representem mulheres negras e transexuais. Até então, entre nossas escritoras, temos apenas representantes cisgêneras. Já escrevemos outra vez sobre transfeminismo, mas, evidentemente, quem pode nos trazer as percepções das vivências permeadas por essas três variáveis – racismo, machismo e cissexismo – são as pessoas que vivem dia a dia essa realidade.

Temos certeza que é nosso dever abrir espaço para que mulheres transexuais falem e representem a si mesmas. Mais que isso, é um desejo nosso que esse espaço seja suficientemente acolhedor para que mais e mais mulheres queiram participar dessa comunidade e nos dar a chance de participar da sua luta. Queremos ser sensíveis às demandas de identidade de gênero e de orientação sexual das mulheres negras.

Então, convocamos aqui as blogueiras negras transexuais para publicar seus conteúdos nesse blog. Contar suas histórias e suas inquietações e ampliar nossa voz, engrossar nosso grito, para que sejamos ouvidas até os confins do mundo.