No sábado, 3 de maio, acontece a XII Caminhada de Lésbicas e Bissexuais de São Paulo. 

Nesta data a Av. Paulista e Rua Augusta serão mais uma vez palco de luta por igualdade de direitos na cidade de São Paulo. Este ano, diferentemente dos anteriores, a concentração ocorrerá a partir das 14h na Praça da Ciclista, esquina da Av. Paulista com a Rua da Consolação.

A Caminhada percorrerá a Rua Augusta e terminará por volta das 17h30 no Largo do Arouche, ponto de concentração já tradicional das lésbicas e bissexuais da cidade de São Paulo, onde se encerrará com diversas atividades culturais, shows e apresentações.

Com o objetivo de lutar contra a violência, o preconceito, a invisibilidade de lésbicas e bissexuais e contra a discriminação sexista, racista e transfóbica,  o tema desse ano é “Lésbicas e Bissexuais em luta contra o machismo e a violência”. Ao sair às ruas, chamamos atenção para o conjunto de práticas opressoras que recai sobre nós, mulheres lésbicas e bissexuais como indivíduos, casal ou grupo social, cuja justificativa não encontra amparo nos princípios do estado laico de direito, mas sim em discursos religiosos e na tradição machista e patriarcal de nossa sociedade. Freqüentemente somos alvos de violência e assédio moral. As mulheres transsexuais ainda passam por inúmeras formas de violência devido sua identidade de gênero. Nós, lésbicas e bissexuais, ainda temos nossa sexualidade taxada como fetiche e erotismo. Temos a nossa liberdade constantemente cerceada quando nos deparamos com notícias de que em bares ou no transporte público, somos alvos de lesbofobia, machismo, transfobia, racismo que se manifestam em violência moral e física. Ainda precisamos sair às ruas em protesto para que possam nos enxergar como mulheres lésbicas e bissexuais, cujo desejo é inerente a cada uma e independente de outras experiências com homens. Nossa sexualidade não é baseada na falta do afeto masculino; não é baseada na negatividade do homem para conosco; passa longe de não termos “encontrado o homem certo”. É o nosso desejo manifestado, exposto e autônomo. Num cenário conservador e moralista no qual nos encontramos, a heterossexualidade obrigatória continua a sustentar as bases do patriarcado.

Tradicionalmente, as organizadoras da Caminhada de Lésbicas e Bissexuais apostam no ato político de ocupar as ruas da cidade de São Paulo com seus cartazes, palavras de ordem, bandeiras , é chegada a hora de nós lésbicas negras também nos fazermos visíveis, ocupar nossos espaços de direito, ganharmos voz e caminharmos juntas em luta contra as violências machistas, les.bi.fóbica, racista e transfóbica.

xicaminhadamenor2

Mais informações:

Site: www.caminhadalesbica.org

Facebook: https://www.facebook.com/Caminhada.Les.Bi

Evento: https://www.facebook.com/events/212147708994603/