Neste ano de 2014, o Brasil sediará a festa que celebra um dos esportes mais populares do mundo. Pelas bandas de cá, ser jogador de futebol significa muito para nossas crianças: um meio de escape das drogas, esperança de um emprego ou mesmo o sonho de se tornar um jogador famoso e bem quisto tal qual como os ídolos atuais.

Se não todos, a maioria de nós sabe o que significa receber um evento do porte da Copa do Mundo num país (principalmente se esse é um país subdesenvolvido) – obras superfaturadas, elefantes brancos construídos (estádios e complexos de treinamentos), e nenhum plano de mobilidade urbana ou benefício concreto para as populações que permanecerão nas cidades-sede e seus arredores. Além de tudo isso, uma série de imposições “contra culturais” como proibição venda de acarajé ao redor da Arena Fonte Nova – que por intervenção da ABAM (Associação das Baianas de Acarajé) teve o ato revogado – e tantas outras arbitrariedades para que se fosse cumprido o “padrão FIFA” de qualidade.

 

As reações

Em paralelo a toda essa preparação, campanhas de incentivo e verdadeiros comícios em TV aberta a favor de uma copa de todos, os movimentos sociais organizados que nunca deixaram de lutar, ganharam voz mais do que nunca. Nos últimos meses vimos várias classes de trabalhadores se manifestando por seus direitos em detrimento de um evento que mascara a situação real do país: ficamos atônitos na greve dos policiais da Bahia (março) e logo depois dos policiais de Pernambuco (maio); assistimos e sentimos na pele uma paralisação em cadeira dos rodoviários das cidades do Rio de Janeiro, Florianópolis, São Luís e Salvador na luta por condições de trabalho mais dignas; presenciamos os militantes do MST marchando por diversas cidades fechando a capital de Brasília em fevereiro com cerca de 16mil camponeses reivindicando seus direitos sobre a terra, denunciando a paralisia da Reforma Agrária, que no ultimo ano assentou somente sete mil famílias; e mais recentemente acompanhamos a luta dos povos indígenas contra a aprovação do projeto considerado anticonstitucional que prevê a transferência de direitos aos congressistas para a demarcação de terras. Os índios carregavam cartazes que diziam “em apoio as populações deslocadas pela copa” e “podem até matar nossas lideranças, mas jamais impedirão a nossa volta ao nosso tekoha”. O movimento quilombola que também estava em frente ao Palácio do Planalto se juntou aos indígenas.

E além de tudo isso, corre a revelia o clamor das pessoas e comunidades inteiras (mais de 8.000 famílias) que foram removidas dos seus lugares para a construção de complexos comerciais e rodovias que levam nada a lugar nenhum. Um dentre os milhões de exemplos é o entrono do maracanã a favela “Metrô-Maracanã” que estava localizada a cerca de 700 metros da arena da final da Copa do Mundo e deu lugar ao Polo Automotivo da Mangueira, um centro comercial que vai reunir lojas de autopeças e borracharias que já funcionam na região, removendo dali mais de 600 famílias. O Comitê Popular da Copa fala em cerca 12.000 famílias atingidas direta e indiretamente com remoções.

[youtube url=”www.youtube.com/embed/BMvprBIX2tc” width=”560″ height=”315″]

 

#Nãovaitercopa

Apesar de todo esforço em prol dos jogos, do reforço na segurança com a ação das forças armadas junto com a polícia, das propagandas e músicas das marcas patrocinadoras, as cidades-sedes assim como as cidades próximas e atingidas indiretamente com os jogos estão atentas e preparadas para protestar. As organizações e os movimentos sociais não estão calados nem irão se calar durante a festa e esperam o apoio da população, já que a mídia está pronta e armada até os dentes para condenar qualquer insurgência.

Não é justo ter copa com escolas, creches, hospitais e estradas abandonadas. Com trabalhadores ganhando salários de miséria, com comunidades tradicionais sendo lesadas e perdendo seus territórios, com mães e filhos sendo mortos todos os dias vítimas da militarização de uma polícia despreparada. Não é justo ter copa, quando o trabalho grosso é realizado por voluntários, quando as “fun-fests” mascaram e tapeiam o desejo da população de poder pagar o ingresso para adentrar em um estádio.

#Nãovaitercopa nem festa enquanto formos ainda uma maioria analfabeta, excluída e discriminada pela cor da pele e condição social. E que comece o jogo!

 

Referências:

http://www.portalpopulardacopa.org.br/

http://oglobo.globo.com/brasil/veja-mais-fotos-do-protesto-dos-indios-em-brasilia-12619402#

http://www.mst.org.br/node/15710

http://globotv.globo.com/rede-globo/sptv-2a-edicao/v/manisfestantes-fazem-protesto-contra-copa-do-mundo-na-barra-funda/3386479/

http://g1.globo.com/profissao-reporter/noticia/2014/05/profissao-reporter-mostra-como-copa-mexe-com-vida-de-brasileiros.html

http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/01/16/rio-quer-extinguir-favela-mais-proxima-a-maracana-a-cinco-meses-da-copa.htm