Antes de começar a falar sobre o vagão rosa, gostaria de trazer alguns dados para vocês: nós mulheres representamos 55% da população que usa o transporte público. O projeto PL 341/205 é de autoria do Deputado Geraldo Vinholi (PSDB), ele determina que as empresas de transporte público ferroviário crie vagões exclusivos para passageiras do sexo feminino, para os horários de picos.

Bom então vamos lá, quem melhor do que nós mulheres negras para falarmos sobre segregação, descendentes daqueles que foram escravizados, daqueles que passaram pela senzala, pela casa-grande, pelo apartheid, pelos bebedouros separados, que muita das vezes ainda sofremos o apartheid social, até quero lembrar que nesse contexto não só as negras ganham um vagão exclusivo, mas todas as outras mulheres, mas como mulher preta, ouso justificar porque acho tão semelhante a separação das mulheres com o apartheid e não é loucura, nem desvaneio. A segregação racial foi uma das formas punitivas da sociedade racista de ensinar aos negros que eles não eram dignos dos mesmo lugares que xs brancxs, um vagão rosa, um vagão que coloca as mulheres num espaço reservado para elas, não é culpar as mulheres de terem nascido ou se identificarem com o sexo feminino? E de serem culpadas da violência que sofrem ?

Não quero ser desonesta com você companheira negra periférica que pega transporte público, que é tratada como mercadoria todos os dias, mas quero que você entenda que na lógica do transporte, tanto faz seu conforto companheira, tanto faz se você vai ser assediada ou não, o que importa é o lucro, a catraca sendo girada, nessa lógica toda é mais fácil para o patrão, pintar um vagão de rosa e colocar nós mulheres dentro (isso seguindo a lógica de que nós todas usuárias vamos caber dentro dele no horário de pico) do que contratar mais funcionários, do que investir em propagandas anti machismo, anti assédio, treinar suas/seus funcionárix. Jjá parou para pensar que se o metrô ou ônibus não estivesse lotado nós sofreríamos menos abusos? Não é um vagão rosa que vai nos salvar de sermos abusadas, quero que você entenda companheira, que além dessa luta ser contra o vagão, contra o machismo, essa luta também é por transporte de qualidade e para todxs.

E aos grupos que sejam a favor desse vagão como medida emergencial para nós mulheres, sabemos que onde existe esse vagão não há bons resultados, que os homens não respeitam o vagão, que os casos de assédios ainda continuam, a fiscalização dos metrôs do Rio de Janeiro, onde existe o vagão, é falha. Ainda tentando dialogo com esses grupos, que além de serem a favor do vagão trazem algumas ressalvas, como alguns investimentos nos transportes e no próprio vagão, quero dizer que podemos lutar por um transporte melhor, um transporte para os de baixo, sem segregar as mulheres.

Além de toda a minha preocupação com as mulheres que não vão querer usar o vagão, e que sim, podem ter qualquer tipo de violência que sofrer legitimada por não estar usando o vagão, me preocupo com xs companheirxs trans*, que além de passar pela violência que nós cisgêneras podemos sofrer com essa separação, ainda podem ser expulsxs de ambos os vagões, porque sabemos o quanto é difícil para uma pessoa trans ter sua indenidade de gênero respeitada. Eu escolhi seguir a linha de diálogo, chamando a atenção das companheiras negras, mas esse texto serve para você mulher que não acredita nessa medida.

Rosa Parks nos ensinou uma vez que não devemos levantar para dar lugar para o opressor, e convido todas vocês a serem iguais a Parks e não usarem o vagão do opressor.

POR UMA VIDA SEM CATRACAS E SEM SEGREGAÇÕES.

Imagem destacada – Hoje São Paulo.

  • Luana

    Ando de trem todos os dias nos horários de pico, sou encorada quase toda semana e isso cansa.
    Já que isso é um problema machista histórico que não vai ser resolvido de uma hora para outra (porque os homens não vão se conscientizar do dia para a noite!)… eu estou mega feliz com este vagão. Me sinto aliviada e mais tranquila.
    Feministas que me perdoem, mas prefiro não ser encoxada do que defender uma causa com uma cara atrás de mim.
    Enquanto os homens não evoluem, eu uso o projeto imediatista: vagão rosa.

    • Nênis Vieira

      Segregar não é a melhor opção e nunca será.
      Ser feliz com o vagão é realmente muito estranho, ao menos pra mim.
      Descordo completamente de sua opinião, Luana. Uma vez que, no RJ por exemplo, o vagão existe e não é respeitado, prova-se automaticamente que a segregação não é a solução e ainda reforça a culpabilização da vítima em algum caso de assédio. Ou seja, uma mulher assediada fora do vagão terá quais fatores para se defender? Esta afirmação é bem complicada, para não dizer equivocada.

  • Marcos Woelz

    Concordo: o vagão rosa vira desculpa esfarrapada para agredir quem não cabe ou quer andar nele. Uma campanha de ridicularização de homens que agridem seria muito mais eficaz.

  • Carol Sales Duarte

    Vi falarem que quem era contra o vagão rosa estava era sendo elitista. E fiquei na dúvida, porque não pego mesmo o metrô em horário de pico, e não sou do tipo que chama a atenção dos homens (não que quem chama tenha culpa, NÃO É ISSO QUE ESTOU DIZENDO, NÃO DIRIA UMA MERDA DESSAS NEM SOB TORTURA).

    Obrigado, gente, por me dizer que não.

  • Lucy

    Ola, andreza! Em Fortaleza, um politico conseguiu que seu projeto de lei fosse aprovado, sobre as mulheres tambem terem direito ao assento preferencial, junto a gestantes, idosos e obesos. Segundo ele, a fim de diminuir os assedios.
    Pra que isso serviu? So pra incitar muita misoginia e mais anti-feminismo, sendo que as proprias feministas sao contrarias a medida, pois basta um pouquinho de leitura pra saber que nao eh assento preferencial, nao eh vagao rosa que vai diminuir assedio, eh educacao no combate ao machismo.

    Agora, off-topic, acabei de ver esse video no facebook e fiquei chocada com poder ver mais um exemplo em carne e osso da elite nao tendo mais medo de escancarar seus preconceitos raciais e sociais. O video mostra uma mulher branca humilhando e tentando a todo custo chamar uma moca negra pra briga. Nao se ve o que causou a briga, mas se ve a reacao exagerada, elitista, racista e homofobica da mulher que afirma “morar do triplex”, que pergunta se a moca vai “ousar” chamar a gerente” e dai pra pior. Vamos torcer pra que ela seja identificada e sofra as consequencias.
    Ai esta o video: https://www.facebook.com/photo.php?v=738725896166920&fref=nf