Incrível como o blackface ainda é encarado como brincadeira. Pintar a cara de preto, usar perucas feitas de palha de aço ou qualquer material “ruim” para representar nossos cabelos, ultrapassar o limite dos lábios com batom vermelho para aludir a uma boca maior, nada disso é caracterização, nada disso é “composição de personagem”, nada disso é inocente: tudo isso, junto e misturado, é uma das faces mais odiosas do racismo, porque se traveste de piada.

A página “Um sábado qualquer” postou no dia 09/07 uma foto em que um homem aparecia fazendo blackface fantasiado de sereia às margens do que parecia ser um valão.

Não bastasse o blackface por si só ser um problema, ainda temos que lidar com comentários extremamente maldosos e igualmente racistas sobre essa estereotipação do negro e de suas características. É um festival de horror ver as pessoas destilarem seu racismo disfarçado de comentários engraçados e espirituosos. Vejamos:

Walditônio Lopes: “Taca fogo antes que solte ovos!!!”
Vagner Borges:“Sereia depois do incêndio!!”
Rosemberb Saraiva: “É fake, da pra ver q essa água n é mto saudavel pra sereias”
Anderson Meireles: “É sereia e ainda tem direito a cotas”
Carlos Ang: “Isso que dá jogar lixo no rio”
Erika Santos:“Essa sereia, com certeza, caiu no lodo”
Heloísa Rafaela: “Se isso é sereia imagine o Satanás”
Victor Hugo Monitini: “A Sereia da Favela Atlatida Perdidona”
Washington Alves Ferrara: “google… vc quis dizer sumreia ?… é um misto de mussum e sereia.”

(Bom, esse texto foi finalizado por volta das 17hs; certamente o número de chorume aumentou de lá pra cá).

Vocês repararam nas associações do negro com incêndio, falta de saúde, lixo, lodo, satanás, favela, Mussum? Pois é, são essas mesmas pessoas que – se interrogadas – vão dizer que não são racistas, que foi apenas uma piada. Mas não nos enganemos: o blackface instiga e fomenta o racismo, coloca o negro e suas características no mesmo lugar de exposição de Sarah Baartman, incitando reações que quase nunca se furtam de serem perversas: vejam, riam, julguem!

Qual é, afinal, a graça do blackface? É a tinta preta? É a boca sem dente? É a boca hiperdimensionada? É o cabelo feito com esponja de aço? É a tentativa de estereotipação da mulher negra? É tudo junto? Certamente deve ser tudo junto…
Mas não desistamos: ao menos o blackface revela a trueface das pessoas.”

Imagem destacada – Um sábado qualquer.

  • Dany, como você mesma disse, “esse tipo de black power [é] satirizado pela maioria das pessoas” exatamente por não nos aceitarem como naturalmente somos. Eu uso meu cabelo natural (black power) há quase um ano e estou extremamente feliz com isso. E AMO pentear ele de modo que fique bem alto, deixando os cachos de lado, exatamente do jeito que as pessoas em geral não gostam, e não é para “pirraçar”, mas eu gosto mesmo, acho bonito. Como já foi dito, o black power é símbolo de resistência, é cultura, e uma criança (ou quem quer que seja) brincar com o próprio cabelo, nem sempre é sinal de que está sendo racista ou qualquer coisa do tipo (com é o caso da criança da foto). Não nos mostrar como realmente somos é que é um problema. Pra mim é a mesma lógica de não vestir certos tipos de roupa porque existem estupradores por aí.

    Essa imagem me representa. E para mim, black power nos representam (enquanto negrxs), cachos nos representam, tranças nos representam, coques nos representam, “cabeças peladas” nos representam, cabelos loiros nos representam (https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQ0UlGb4yK60p8BkTVsaMXGRMfKe_7jsFMowypI4zLwosEFILIF) etc etc etc…

    • (crespos nos representam…)

      Ah, e uma coisa que esqueci de dizer, mas talvez seja legal refletir sobre: eu demorei bastante pra entender isso, mas o fato é que alguém falar sobre X não estando no lugar X é algo bem complicado. E aí quando se trata de fazer humor sobre X, geralmente vira preconceito. Há uma diferença enooorme entre uma pessoa negra que tem um cabelo black power brincar com seu cabelo e uma pessoa completamente caricata brincar com um tipo de cabelo que nem tem. Há, por trás dessas duas brincadeiras, processos de entendimento, empoderamento, autoconhecimento e mesmo aprendizagem e reprodução de certos saberes. E a origem e o “destino” de cada um deles é completamente diferente. Fui bastante genérica porque acho que cabe pra várias situações que não só o racismo, mas se quiser continuar o papo, achar meu nome no facebook é facim facim 😉 Abraços!

  • Tarcila Zaparolli

    Vocês denunciaram?

  • Sabe… quando eu leio os textos do blog eu me dou conta que o que é falado aqui não é exagero é a dura realidade. Eu sou loira e deixo uma mensagem á todas as mulheres negras: são lindas do jeito que são, porque com amor Deus as fez.

  • João Paulo Ferreira de Assis

    Recebam minha solidariedade. É muito triste o que está acontecendo. Não sabia dessa do blackface. Parece que o criaram para para se divertir. Mas Deus é grande. Muitas vezes a colheita do que semeamos de ruim aparece ainda em vida do mal semeador. .

  • Dany Lively

    Antes de mais nada, queria entender a foto usada logo no topo do site: seria uma representação de como os racistas vêem o(a) negro(a)? Porque se não for, eu acho que nós mesmas sem querer acabamos estereotipando a nossa própria imagem, e se me permitissem o palpite, eu sugeriria uma outra imagem que nos representasse melhor. Eu pediria que não excluam meu comentário, pois quero ouvir(ler) outros comentários e opiniões sobre este ícone do site, de maneira diplomática é claro, pq na verdade sempre me perguntei: se o problema é a ridicularização, pq a primeira imagem que encontro é de uma garota negra com esse tipo de black power satirizado pela maioria das pessoas assim como vcs descreveram? E se vcs deletam não tem como debater sobre isso.

    • Nênis Vieira

      Acredito que o logotipo do site não trabalha juntamente com a imagem estereotipada de negrxs. Pelo contrário, o black power é um poder inigualável, que apenas quem já o teve e o levanta diariamente saberá compartilhar o empoderamento. Não consigo me aproximar nem minimamente de uma imagem estereotipada neste ponto. O black tem que ser pra cima e essa imagem mais simples e fácil de destaque de uma pessoa negra será muito mais utilizada enquanto pessoas acreditarem que somos simples de entender e pegar em apenas uma imagem.

    • Larissa Santiago

      Dany, Marlene, a mocinha da foto é uma jamaicana e sua imagem simboliza resistência!
      Ela significa orgulho, irreverência e sua imagem ligada ao BN é dizer que nos sentimos bem com a estética que escolhemos.
      Como bem lembrou Nênis, o black power é um poder inigualável e Marlene o usa e o sustenta. 😉