Participei de uma entrevista na empresa Global Empregos para uma vaga temporária em Shopping da Zona Sul de São Paulo (Morumbi, Jardim Sul, Market Place …).

Quando fui chamada para entrevista, fiquei muito animada porque seria para trabalhar na loja da AREZZO, da qual sou há muito tempo consumidora e pelo fato de ser uma vaga temporária também, visto que curso Direito e durante o semestre me vejo muito sobrecarregada pela faculdade, não podendo assim trabalhar em horário de shopping pois tomaria muito meu tempo. Como estou de férias, me escrevi porque preenchia todos os requisitos para a vaga, principalmente no quesito experiência.

Chegando lá, me deparei com uma ficha de inscrição à qual pediam para eu descrever sobre minhas experiências (que são muitas) e antecedendo a isso,logo quase no início,pediam a minha COR e meu PESO. Naquele momento já comecei a olhar tudo com outros olhos. Porque a minha cor e meu peso seria relevante para um processo, será porque trabalharia com vendas diretas com clientes? Coloque a minha cor: NEGRA e meu peso que está um pouco acima do socialmente aceito por essa sociedade cada vez mais doente pela ditadura da beleza. Entreguei a ficha. Aguardei e fui chamada.

Minha entrevista durou menos de 10 minutos. A selecionadora havia me dito que enviaria minha ficha para o cliente, no caso a AREZZO e se meus requisitos tivessem dentro do que o cliente (AREZZO, repito) EXIGIU, entrariam em contato e que caso a empresa (Global) não o fizesse em até 24 horas, seria porque não estava dentro do que foi pedido pela AREZZO. Saindo de lá, já com a pulga atrás da orelha, fui da uma volta no shopping Morumbi pois moro perto e passei pela AREZZO.  Entrei, escolhi um sapato e comecei a observar com olhos mais críticos, comprei o tal sapato pra não ter feito a vendedora perder seu tempo, pois meu intuito não era prejudicar ninguém.

Ainda curiosa, saí do shopping Morumbi e fui até o Market Place. Pra quem conhece, sabe que ficam praticamente de frente um para o outro. Passei pela AREZZO, entrei e fiquei observando por alguns minutos. Sai e resolvi voltar pra casa. Como moro pertíssimo do shopping Jardim Sul, resolvi entrar passar na loja da mesma que aqui cito. Chegando em casa, ainda muito pensativa, conclui: não havia sequer uma funcionária NEGRA nas lojas onde fui.

Tive a curiosidade de pesquisar na internet e encontrei um suposto caso de racismo em uma loja em Belo Horizonte. PASMEM! Espero esclarecimentos dessa loja de quem durante ANOS fui consumidora. Qual a relevância de se perguntar a COR e o PESO de uma pessoa para processo seletivo de suas vagas? Candidatas BRANCAS e NEGRAS têm o mesmo peso pra vocês? E por fim, como já esperava depois de ver tais perguntas na ficha do processo, NÃO FUI SELECIONADA mesmo morando pertíssimo de todos esses shoppings e possuindo experiência. Porque será?

#QueroExplicação #RacistasNãoPassará #AREZZORacista??

Imagem de destaque – reprodução web.

  • Acontece, racismo em todas as áreas, me qualifiquei estudei inglês, que um dos requisitos para vaga é falar inglês para trabalhar em navios de cruzeiro quando faço a entrevista sou reprovada, eles dizem, perfil e postura incompatíveis com o cargo, eu trabalho na área como o meu perfil pode ser incompatível com o cargo que conclusão ele chegou para dizer isso, é com certeza por eu ser negra, claro que eles não vão me dizer ate parece mas me sinto injustiçada, infelizmente não posso fazer nada só me resta lamentar que em pleno seculo 21 em 2016 ainda existem recrutadores que pensam assim querem os negros limpando o chão, lavando privada, vc gasta dinheiro para ter uma boa formação que de nada vale. Entrei em contato para saber o motivo de minha recente reprovação e a resposta foi “Nada em específico, somente fizemos opção por outros candidatos”. Lógico que ele omitiu brancos ainda quando os negros reclamam eles falam que é mimimi tá difícil viu …

  • Vi

    Estou ha um tempo procurando emprego, fui em aproximadamente 10 entrevistas. Percebo que meu currículo e bem notado, mas quando vou para a entrevista sou reprovada…
    As pessoas dizem que eu falo bem, tenho uma voz e postura que denotam respeito… Ultimamente tenho pensado se não e preconceito… Tenho o cabelo crespo e ha um tempo tenho assumido o cabelo natural.
    Sou da area de RH, trabalho na parte de Departamento Pessoal, ate agora não fui entrevistada por nenhuma mulher negra ou com características afro.
    Encontrei duas selecionadoras boas, profissionais competentes, que realizaram a entrevista de uma competência incrível, contudo, o que vejo na grande maioria são profissionais despreparadas, muito engessadas, com perguntas vazias…
    Hoje, com 27 anos, percebo o preconceito bater em minha porta, estar diante dos meus olhos.

  • narcilene

    existe racismo sim porque eu fui entrega curriculo e realmente não tinha nenhuma negra nas lojas que fui e que fiz entrevista e m
    esmo com muita experiencia na area nao fui chamada claro por causa da cor. só sei que nao compro mais em lojas de shopping que nao tenha negra .

  • VANNAN

    Relamente estas lojas de Shopping , e dificil negros entra , fui fazer uma seleção na Elementais , aqui em salvador, moro perto dos maiores Shoppings ,moro também em um bairro nobre mas nada disso muda , não fui selecionada a entrevista foi otima tinha os requisitos para trabalhrar a final já trabalhei em Shopping a dona falou pra mim que eu estava muita aplicada que , sabia bem da loja mas não sei porque não fui selecionada . rsrsrsrs e sou Negra, tenho uma conhecida que foi no mesmo dia fazer a entrevista comigo e ela ficou , branca , cabelão do jeito que eles gosta ! na realidade o que aconte tem um grande problema quando voçê e um estudante universitaria e ainda possima fazendo curso de direito fica supermega dificil , com e no meu caso , eles tem muito medo e não da oportunidade. pelo menos aqui em salvador tem muito isso. Sei tambem que muitas das vez não e o dono da loja que não que negros trabalhando na sua loja e sim ,os propriso clientes com uma vez uma cliente da loja que eu trabalhava , falou pra gerente fale dona , que a loja dela tá muito escura , tem que claria com era antes , antes tinha mais loiras. fica dificil ,Mas não mim deixo abater sei que nos somos um Povo a Guerrido ,Corajoso e Vamos Vencer Cada Dia !!.

  • gisele

    Trabalho com departamento pessoal ha 14 anos e nunca vi disso. Quando um funcionário e admitido ele deve entregar uma serie de documentos e nestes documentos constam a raça do mesmo, nao tem porque essa informacao ser solicitada no processo de recrutamento. Alem do mais, nem Rais nem Caged pedem informacao de peso, ou seja, a cor da pele e o peso da candidata era SIM relevante para o processo seletivo.

  • tatahpersic

    Desculpem a discordância da maioria, mas ja vi sim muitas negras trabalhando na Arezzo, principalmente no Rio e Bh. Realmente a cor não tem pq perguntar, mas o peso se justifica sim principalmente pela função a ser desenvolvida, uma pessoa de 160 kg pode ficar se abaixando o dia inteiro para trocar sapatos???? Não por preconceito, mas pela logica da agilidade, e risco postural. E também ja ouvi estes comentários sobre estudantes de direito, pq a maioria fica louca pra advogar em causa própria, principalmente os recém aprovados. Querem processar ate o vento que sopra e atrapalha o cabelo.

    • Ludimilla

      Hummmm… veja bem. Eu tenho 55 kg e não alcanço o meu joelho se brincar. E tenho uma amiga que pesa 145, da minha altura e é quase uma minhoca. Estão, realmente, preciso discordar do seu comentário.

  • Creuza Magalhães

    Na maioria das lojas de shopping e de marca não tem vendedoras negras e nem no post folio tem modelos negras, sempre observo esse fato e não compro nada dessas empresas, mesmo gostando de alguma coisa. Não sou negra, mas tenho amigas negras e na minha família há mulheres negras. O que me deixa pasma é que elas compram nessas lojas, sem atentarem para o fato de que nunca uma moça da cor delas trabalha no local, infelizmente!!!!

  • francineide

    Isso é fato, pois era consumidora dessa loja e também já observei que não tem vendedoras negras e nem gordinhas. Esse fato me fez desistir de continuar comprando na Arezzo.

  • A Global Empregos sempre respeitou e promove a diversidade, abstém-se de todas as formas de preconceito e discriminação, de modo que nenhum empregado ou potencial empregado receba tratamento discriminatório em consequência de sua raça, cor de pele, idade, religião, origem étnica, nacionalidade, posição social, gênero, orientação sexual, estética pessoal, condição física, mental ou psíquica, estado civil, opinião, convicção política, ou qualquer outro fator de diferenciação individual.

    A Global sempre valorizou e respeita o ser humano. Tais informações citadas pela candidata são solicitadas para atender ao solicitado e exigido pelos órgãos do Governo no envio de informações de funcionários, tais como: RAIS e CAGED. Inclusive com a implantação do E-SOCIAL, tais informações continuarão sendo exigidas às empresas.

    Reforçamos ainda que a cliente AREZZO não faz e nunca fez exigência alguma à Global quanto a restrições aos pontos abordados. Inclusive aproveitamos o ensejo para reiterar a nossa admiração à AREZZO quanto ao respeito e valorização aos candidatos encaminhados pela Global para participação dos processos seletivos, agindo com total imparcialidade ao assunto abordado pela candidata. As informações constantes nas fichas de empregos da Global são de nossa responsabilidade, tem o caráter meramente informativo e para atender o conjunto de informações e solicitações dos diversos clientes nos diversos segmentos e principalmente às exigências governamentais.

    Ressaltamos o nosso compromisso de respeito ao ser humano de forma geral e ampla e temos o prazer de contar com colaboradores de todas as raças, cor de pele, idade, religião, origem étnica, posição social, condição físicas, etc. Enfim, o que nos faz ter a qualidade total e o máximo de respeito no mercado é a heterogeneidade do nosso principal ativo que são os colaboradores!

    • Joana de cassia prudencio

      A primeira vista ate parece razoavel a resposta da Global Empregos, mas na medida que essas informacoes foram solicitadas para a entrevista de emprego, penso que elas nao se sustentam… vou procurar me informar melhor… Mas ainda nao me convenceu…. sem contar que tem a quesito peso, qual a explicacao para se solicitar o peso de uma pessoa numa ficha de entrevista de emprego???

    • anab

      Então por que vocês pedem a cor de pele das pessoas nas fichas de emprego? Vocês são racistas sim.

  • Daniela

    Isso de fato é terrivel, porém acredito que não seja nenhum tipo de opinião da marca em si, pois aqui em Recife (onde moro) ha sim vendedores negros nas lojas da Arezzo.

  • Patricia

    Isso ja tem uns anos. Deixei meu curriculo com foti na ecletic pra natal e logo imediatamente me chamaram. Fui tratada super super bem e nao demorou muito pra eu ser chamada na sala do rh. Sou alta, branca, cabelos escuros e tenho um corpo de quem faz dança ha mts anos. O papo na entrevista tava animadissimo qnd ela me deu as pretençoes de salario de vendedora. Eu disse que eu tinha experiencia no caixa e sabia que la tinha vaga pra caixa. Deixei claro que locomoçao nao era problema, pq moro no centro. Ela encerrou minha entrevista na hora e eu fiquei sem entender. Passei a semana seguinte indo nas lojas ecletics pra ver se tinha alguma diferença. As vendedoras altas, lindas, cabelao, loirissimas. As caixas negras, gordas, mal vestidas e sem maquiagem. Fiquei pasma. Ai lembrei de uma pergunta que ela fez antes da entrevista “vc ficaria linda se pintasse os cabelos. Ja te disseram isso?”

  • Camila

    Que absurdo isso de cor e peso. Qual a relevância? Claro que não haveria problema caso preenchessem cor:branca, peso: 50. Né?
    Com certeza serve pra ”filtrar” negras e gordas, jamais brancas e magras. Estou indignada mesmo tendo consciência de que o mundo da moda é bastante preconceituoso. Não são todas as clientes que são tratadas bem em lojas de grife (se você for loira, alta e magra com certeza será tratada muito bem).

  • Bem-vinda ao mundo real, prezada anônima.

  • Fico muito triste em ler coisas desse tipo. Acho que o que torna uma empresa única é a adversidade. A adversidade em relação as características físicas de cada colaborador, porque, eu, por exemplo, fico muito feliz quando entro em uma loja localizada nos bairros nobres de SP e vejo uma funcionária negra, isso me alegra muito. Acredito que, quando a empresa aposta nisso, em recrutar pessoas não só com o perfil profissional diferente, mas também com traços físicos diferentes, atrai mais clientes e também fideliza os já existentes (os que têm caráter, claro). Essas empresas ou são ignorantes ou são ignorantes, pois mal sabem elas que, contratando alguém de outra etnia, são vistas com outros olhos e mais pessoas vão querer comprar os produtos da empresa.
    Estou estudando Recursos Humanos, e uma das coisas que me motiva a continuar me especializando na área é a possibilidade de no futuro, quando eu já estiver em um excelente nível hierárquico dentro de alguma empresa, poder contratar mais pessoas negras, dar mais oportunidades para os meus irmãos e irmãs de cor. Só quero ver o meu povo bem, quero que não mais tenham uma auto-estima baixa, quero que tirem essa ideia negativa que eles têm em relação a cor deles, infelizmente condicionados pela mídia a pensar assim.

    • Dany Lively

      Em tempo Vanessa Moreira. Também não vejo indígenas trabalhando nesses locais, parece uma ideia indigesta para a elite né? Principalmente em lojas frequentadas pelo público A. Eu posso estar até falando besteira, mas é o que vejo por ae.

  • bea

    NA minha cidade tem mais de uma vendedora negra e nenhuma delas magrela na Arezzo. Alias, a gerente é negra e bem cheinha. Nao acredito que seja politica da empresa.

  • Tatiana

    Oi! Não sou negra. No alto dos meus 35 anos já fiz muita entrevista de emprego e posso atestar que existe racismo sim no mercado de trabalho. Cansei de ver. As pessoas precisam entender que as cotas são importantes, porque o racismo no Brasil tem muito mais a ver com o fenótipo do que o genotipo.

  • Olá!

    Um cara que trabalha com processo de seleção para lojas me mandou essa mensagem. Não descarto o racismo, mas sugiro que, de repente, faça o teste omitindo a faculdade de direito. Não é legal, também é preconceito, de certa forma, mas não é racismo.

    “Ola Juliany, bom dia

    Acabei de ver teu post sobre a arezzo

    Não quero duvidar do que foi escrito muito menos defender a marca

    Só quero complementar teu post, pois fui responsável por processos seletivos de varejo por um tempo

    Uma orientação que tínhamos na marca que trabalhei era de nunca contratar estudantes de direito

    Por serem o maior índice de ações trabalhistas

    Principalmente vendedores temporários

    Que não possuem previsão em lei

    Espero ter ajudado, isso não invalida o que pode ter acontecido com a menina, mas acho que é relevante essa informação.

    Abraços.”

  • kellem

    Trabalho em uma loja dessa marca já fazem quase 3 anos. ..e já vi vendedoras negras passarem por lá sim…Assim como gordinhas..e todos os tipos de mulheres. Não imagino isso acontecendo…com certeza é algo particular da selecionadora pois as lojas são franquias e são independentes…cada loja faz a sua seleção…

  • samir

    Simples! Não compre mais lá e envie seu repudio ao maximo de pessoas que você puder. No sistema capitalista moral não tem valor prejuízo sim. Eles nunca vão te responder.

  • Jesiane

    Você pode e deve entrar com uma ação de danos morais contra essa loja, para que sirva de lição para outras, pois racismo é crime, e nesse caso está explícito demais, já vi casos em que uma autora ganhou uma ação pelo faro do teste de avaliação aponta que ela era “preguiçosa”, enfim não deixe de procurar seus direitos judicialmente. Boa Sorte e erga a cabeça você é talentosa e tão importante quanto qualquer outro ser nesta terra.

  • nuria Ribeiro

    Trabalhei quase um ano em uma franquia Arezzo em Ribeirão preto , e nesse tempo vi alguns casos similares principalmente com o peso quando me manifestei e perguntei porque a pessoa não foi contratada me disseram que pelo motivo de ela ser gordinha nao caberia nos estoques pois eles são padrão e a distância entre uma prateleira e outra é de 50 cm e por as escadas serem muito altas , poderia dificultar a subida dela várias vezes em um dia de movimento , achei um absurdo a atitude do proprietário . Logo sai e fui pra outra empresa.

  • Cristiani

    Trabalhei na Arezzo durante anos. Não nas lojas, mas na própria franqueadora. Olha te digo que se existe algum preconceito é da parte dos franqueados, pois as lojas espalhadas pelo BRasil são de vários donos diferentes por se tratar de franquia. As vezes um dono tem mais de uma loja, como acontece em SP. Mas na Arezzo propriamente varias pessoas negras trabalham e são tratadas de forma igual. A loja da oscar freire que é própria da Arezzo foi gerenciada durante anos por uma negra. E nas lojas aqui do sul tb já vi trabalhando vendedoras negras. Então acredito que possa ser talvez um caso específico daquela franquia.

  • cris

    Anos atrás percebi isso em uma loja da rede O Boticário, todas as vendedoras eram magras, altas, loiras de cabelo liso, todas muito parecidas. Um amigo estava comigo no shopping nesse dia, comentei com ele, e quando ele percebeu o mesmo que eu ficou também indignado, mas foi muito mais assertivo que eu pois resolveu agir, pediu para chamar a gerente e perguntou por que todas as funcionárias eram brancas/loiras, onde estava a diversidade na imagem da loja já que estamos no Brasil que é um país de maioria negra. A gerente ficou super sem graça, disse que se tratava de “coincidência” todas serem loiras e com as mesmas características, mas disse que esse problema seria corrigido, meu amigo e eu saímos do emprego que era perto do shopping onde fica essa loja e nunca mais voltamos lá para sabermos se algo mudou, mas ainda pretendo ir a essa loja assim que puder. Imagine como seriam as coisas se todas as pessoas fizessem o que meu amigo fez? Se todos nós tivéssemos a mesma atitude penso que as coisas seriam outras.

    • jessica

      Pois é, eu tentei um temporário de Natal no O Boticario também há uns anos atrás, e junto com o CV me pediram foto. Sou branca mas tenho cabelos pretos e tenho uns quilinhos a mais, sequer me olharam na loja….bela coincidência essa

    • Dany Lively

      Isso, BASTA MESMO, Excelência!! tem que PROTESTAR MESMO Cris! Só assim as coisas vão mudar, se nós reclamarmos ao invés de dizer “cada um com seus problemas” e “lavar as mãos” e sair de fininho!!

  • Maria Jose

    Vergonha…Negro não pode trabalhar.E para comprar pode?

  • Denise

    Eu já vi vendedora negra na Arezzo do Shopping Botafogo, no Rio de Janeiro; inclusive, contei a ela que já fui ignorada em uma loja Arezzo do Shopping Tijuca e meu marido, que é branco, achou q teve relação com minha cor, já que eu não estava mal-vestida.

  • Cristina

    Olá, cheguei até seu texto por acaso, por um compartilhamento de uma amiga no Facebook., Eu não sou negra e por isto jamais poderei falar sobre racismo com legitimidade, pois não sinto a discriminação na pele, mas seu comentário me fez lembrar de um fato ocorrido justamente em uma loja da Arezzo. Na cidade onde morava havia uma única loja desta marca e lá trabalhava sim uma negra (muito bela e com porte de top model), mas o fato que me chamou a atenção não tem a ver com ela e sim com uma amiga negra. Uma vez eu fui acompanha-la , ela queria minha opinião para escolher um sapato, entramos juntas na loja e a vendedora (não era a negra) chegou com um sorriso super simpático e se dirigiu a mim, quando informamos que era minha amiga que queria provar os sapatos o tratamento mudou, sempre fui super bem atendida nessa loja, as vendedoras até calçavam os sapatos nos meus pés, mas minha amiga foi mal tratada e atendida com muita má vontade pela vendedora, nos sentimos muito constrangidas e ela decidiu comprar sapatos em outra loja. Minha amiga é advogada e estava bem vestida, o único motivo para o pouco caso da vendedora ao meu ver é por racismo.

  • Dany Lively

    Desculpe, mas vou ter que ser nua e crua, precisa resposta? Eu acho que não, pois tá meio óbvio né….isso merecia um PROCESSO GIGANTESCO. Também preenchi uma ficha virtual para o Itaú, e tinha uma pergunta referente à RAÇA, me recusei a responder. Embora meu pai, negro, já tenha sido funcionário de lá há alguns anos (onde também conheceu minha mãe) não sei quais são os critérios o itaú tenha hoje… mas me preocupa o fato de que possam estar cometendo o mesmo erro (devo dizer crime??) selecionando seus funcionários pela etnia e não pela sua competência e resultados positivos nos testes, tudo isso merece uma investigação mais cautelosa. Também já fiquei pensando nisso em outros processos as quais não fui selecionada.

  • viviane klein

    Infelizmente acontece sempre.
    Eu fiz um processo em uma empresa com uma amiga, oriundas da mesma função e da mesma empresa anterior.
    Eu já sou formada em moda, ela esta no segundo período, eu tenho mais tempo de experiência no currículo do que ela, ela é branca e eu sou negra.
    Ela ficou com a vaga, mesmo tendo que conciliar horários por causa da faculdade, eles preferiram alguém que fica devendo horas por causa da faculdade do que alguém formada e disponível.

    • Dany Lively

      Viu? Depois perguntam POR QUÊ a gente tem TANTA dificuldade em arrumar emprego. Apesar de estar difícil para pessoas brancas também, nós ainda passamos por esse tipo de situação, ser julgado pela pele e não pelas suas competências e formação.