naovejo

Black Friday, assim é chamada a primeira sexta-feira depois do dia de Ação de Graças nos Estados Unidos. Quando a preparação para as festividades natalinas se inicia, é lançada a mais popular campanha de ofertas dessa época. Preços baixos, descontos, promoções. O comércio brasileiro copiou esse modelo de vendas e passou a oferecer também o seu “Black Friday”, convocando clientes para um momento de vendas que beira uma catarse coletiva. Mas fica a pergunta, quão negra é essa sexta-feira?

Aparentemente a publicidade brasileira ainda considera que o negro é mercadoria, não um consumidor em potencial. Desconsidera que pessoas negras preferimos quem nos representa. Ainda estamos num momento de completa invisibilidade, uma não representação que nos obriga ao boicote de marcas que até querem nosso dinheiro, mas não nos representam. Esse é o único caminho para que se entenda que nossa ausência em comerciais serve à naturalização do racismo na medida em que não somos mostrados exercendo as atividades mais cotidianas da vida, como usando um esmalte ou um produto eletrônico.

Falando especificamente de mulheres negras, é como se não fossemos humanas o bastante para usar esmalte, uma calça jeans, um creme para a pele ou o mais simples dos produtos eletroeletrônicos. Tente se lembrar de uma propaganda em que sejamos mostradas consumindo um absorvente higiênico por exemplo. Quando somos mostradas, esse movimento se dá apenas para que a cota de 100% destinada a pessoas brancas não seja de todo evidente. Estamos falando da desumanização através de uma invisibilidade que nos grita aos olhos.

O apartheid publicitário à que nós pessoas negras somos submetidas denuncia também que não estamos à contento nas faculdades e nas agências de publicidade. Ano passado por exemplo, na carreira de Publicidade e Propaganda, não houve nenhuma pessoa negra entre aqueles que passaram no exame da Universidade de São Paulo. A desculpa sempre é a mesma – quem faz propaganda diz que estão apenas reproduzindo o retrato de uma sociedade que não é equânime, dando de ombros para o fato de que também tem uma grande, senão estratégica, responsabilidade na construção da mesma.

Nós, Blogueiras Negras, fizemos o teste do pescoço e pesquisamos* algumas marcas para dizer: NÃO ME VEJO, NÃO COMPRO! Diremos não à uma diversidade que não se sustenta, que é prática apenas discurso no gogó de quem faz publicidade mas que ainda se dá ao luxo de fechar os olhos para o fato de sermos a maioria da população. Precisamos superar o modelo em que ainda somos uma presença exótica, onde se acentua ainda mais o racismo. Não adianta estampar uma menina negra se na estampa de sua blusa aparece uma princesa branca ou contratar apenas uma pequena porcentagem de modelos negras para dar uma falsa impressão de inclusão.

Nossa aproximação para com o tema foi simples, como dissemos antes, fizemos um simples teste do pescoço. Escolhemos algumas marcas e contamos em suas fanpages (facebook) qual a proporção de mulheres negras eram representadas em relação ao números de mulheres brancas. Ficou evidente que algumas marcas, mesmo as que aparentam primar pela diversidade, não são tão diversas assim. Convocamos todas as pessoas negras a guardarem esses resultados em suas mente durante todo o ano e especialmente agora em que a famigerada Sexta-Feira Negra se aproxima. Grite conosco para os quatro ventos – NÃO ME VEJO, NÃO COMPRO! 

Eis o resultado.

*Dados coletados entre 24 e 25 de novembro de 2014

Brinquedos

Ri- Happy (250 crianças) – 98%  brancas

rihappy

B-Mart (31 crianças – todas as imagens da fanpage) – 100% brancas

bmart

Vestuário

Riachuelo (412 mulheres) – 97% brancas

riachuelo

Zara (350 mulheres) – 100% brancas

bmart

Renner (360 mulheres) – 85% brancas

renner

C&A (565 mulheres) – 87% brancas

cea

TNG (249 mulheres) – 94% brancas

tng

Malwee (430 mulheres) – 94% brancas

malwee

Hering (411 mulheres) – 97% brancas

 h

Marisa (343 mulheres) – 94% brancas

tng

Cosméticos

Risqué (500 mulheres) – 98% brancas

risque

 Impala (377 mulheres) – 99% brancas

impala

O Boticario (250 mulheres) – 93% brancas

boticario

Quem disse Berenice (250 mulheres) – 90% brancas

qdb

Natura (250 mulheres) – 95% brancas

natura

Avon – (300 mulheres) – 95% brancas

avon

Vicky – (500 mulheres) – 97% brancas

vicky

Calçados

Arezzo (503 mulheres) – 99% brancas

arezzo

Melissa (250 mulheres) – 99% brancas

melissa

Tecnologia

Samsung (211 mulheres) – 95% brancas

sansung

LG (250 mulheres) – 99% brancas

lg

Sony (250 mulheres) – 98% brancas

SONY

Vichy  (537 mulheres) – 93% brancas

10822189_10205323345707660_101614563_n

Representatividade importa e já não nos submetemos.

  • Fiquei assustada com os dados. Nunca sofri racismo, pois sou branca. Mas não me calo, porque não quero que a minha irmã passe por esse tipo de situação. No caso disso acontecer, quero que ela tenha coragem e autonomia para se defender, não se deixar atingir e lutar contra. Assim como vocês estão fazendo.
    Há tempos tenho refletido sobre a dificuldade de criar uma criança negra em uma família branca. Fiz uma referência a vocês lá! Usei duas figuras, mas obviamente dei os créditos. Espero que não se importem, caso contrário retiro sem problemas.
    Beijos…
    http://adivinhahoney.blogspot.com.br/2016/01/nao-me-vejo-nao-compro.html

  • Marcos

    Entrei achando que ia encontrar algum argumento absurdo tentando achar racismo no nome da campanha e me deparo com um texto fantástico, dados precisos e argumentos excelentes. A internet precisa disso: menos mimimi e mais inteligência. Parabéns.

  • Carlos

    Só concordo…é um apartheid publicitário…somos invisíveis e quando aparecemos não passamos de meras caricaturas criadas pela publicidade, tv, cinema e afins para satisfazer “a cota do politicamente correto”… Hipócritas.

  • Demaisssss!! No meu dia-a-dia já agia assim, mas perfeito esse levantamento mais preciso! Estamos usando o mesmo método para mostrar a ausência de negr@s no corpo docente na universidade que estudo! Isso aí!

  • Gostaria, e muito, de gráficos idênticos sobre o consumidor masculino.
    Excelente matéria!

  • Geovailda dos Santos Tarrão

    Tem alguma empresa com um percentual maior de colaboradores negros?

  • Jessica

    Mais fácil citar quais não tiveram resultado semelhante.
    Que tristeza…

  • Giovana

    O pior é que essa situação não se restringe apenas às propagandas, mas também às novelas, filmes, livros, e qualquer outra coisa produzida aqui no Brasil. Isso me assusta porque, apesar do que diz os censos do IBGE, nosso país tem uma maioria de negros e “pardos” que simplesmente não se veem representados. E, claro, tendem a negar sua negritude.
    É inadmissível nos encontrarmos numa situação dessas em pleno século XXI, num país onde dizem ser tão acolhedor para com a diversidade. Às vezes (sempre) tenho vergonha de ser brasileira.

  • Estou indignada como o negro e tratado na sociedade.Todos os dias eu vejo o preconceito em todos meios de comunicacao no dia a dia.Vamos refletir, como diz gabriel pensador na musica
    ”racismo é burrice
    Dê a ignorância um ponto final
    Faça uma lavagem cerebral’

  • Luisa

    Sem contar que muitas destas marcas exploram o trabalho escravo!

  • Natália

    Isso se torna especialmente absurdo quando se fala em marcas para cabelo. Dá pra lembrar de umas 5 ou 6 marcas diferentes de produtos para cabelos, que anunciam na TV e JAMAIS tem no comercial um produto para crespos ou um cabelo crespo. Nem sequer encaracolado. Isso mesmo quando o cabelo cacheado está tão em alta. Vergonhoso! De costume, essa exclusão e negação se repete nos sites de divulgação de inúmeras marcas. Lembram-se de que a Pantene, há cerca de 2 meses e meio divulgou no comercial produtos para liso e para crespo? Rapidinho o comercial saiu do ar, só vi um dia.
    Até gostaria de divulgar uma marca que, quando entramos no site tem (até agora) a foto de um cabelo liso e outro crespo, a Hidrabell. Acho muito boa e uso a linha para tingidos rss (sim, contém parabenos)

    • Isla Guimarães

      E geralmente quando aparece um cabelo crespo ou cacheado é para ser alisado.

  • Neusa Maria Pereira

    Esta tal de Black Friday é uma furada monumental, feita para incautos que vivem de valorizar o que vem de fora. Lojistas, na sua busca desenfreada por lucro, aumentam os preços dos produtos meses antes, para nesta data colocá-los no preço “real”. O capitalismo de terceiro mundo não oferece vantagens para ninguém. Só os comerciantes da meca deste sistema podem fazê-lo, graças ao poder que seu país tem de dominar as riquezas alheias, sob os mais cínicos pretextos.