Quando pensamos em Psicologia nos inclinamos de primeira a afirmar que esse campo se relaciona com a ideia de escuta entre psicólogo e paciente´. Esse paciente solicita ajuda para um sujeito dotado de um conhecimento acadêmico de saúde. O paciente deve receber de volta desse psicólogo um diagnóstico, ou uma possível solução para o seu problema, um alívio para o sofrimento psíquico.

O psicólogo é um profissional de saúde possivelmente capaz de diagnosticar, tratar, ajudar, dentre outras coisas, indivíduos ou grupos, ou seja, o seu trabalho é saciar, ou tentar saciar, a demanda vinda dos pacientes.  Digo possivelmente porque muitos psicólogos não trabalham sempre com diagnóstico, o que acredito às vezes ser algo bom por diversos motivos que não são necessários pontuar aqui. O mais importante é que muitos psicólogos não sabem ajudar ou seguir um processo de tratamento que vise o bem do paciente e não o seu próprio ganho pessoal. Isso acontece porque o ensino da psicologia, ou seja, o campo psi é, e sempre foi, branco, eurocêntrico, elitista e individualista. Um campo no qual alguns não chamam o sujeito mais de paciente, mas sim de cliente. Um lugar onde o dinheiro fala mais alto que qualquer entendimento de saúde e bem-estar possível. Óbvio que existem exceções à regra, existem vertentes dentro da psicologia que se propõem a um tratamento não tão individualista e fechado, mas não falaremos da exceção, porque quem esmaga é regra.

Estudo psicologia há 3 anos e nunca estudei em sala de aula, nas disciplinas obrigatórias, qualquer autor negro, não só eu como os meus trinta e poucos colegas brancos, que muito mais que eu, precisariam muito ter essa vivência pra intensificar o seu conhecimento de tratamento. Principalmente por serem em sua maioria pertencentes à classe média branca e o único contato com o negro que tiveram foi provavelmente com a empregada ou o porteiro do prédio onde moram. Por isso a psicologia é um lugar não acolhedor para todos, ela não é feita para todos, é feita pra quem pode.

Com todos esses atravessamentos difíceis do campo psicológico pra nós negros entra o pensamento: por que eu pediria ajuda para alguém que não entende nada da minha vivência? Por que eu pediria ajuda para alguém que não entende o racismo? Alguém que não aprende sobre racismo. Ou pior, alguém que diz que eu estou exagerando e que o racismo não é um problema brasileiro. Deixar claro-escuro que algumas dessas frases foram recebidas por pacientes negros dentro do consultório psicológico. Porém, o maior problema não está só na busca por um psicólogo, mas também na não busca dele.

Digo isso por causa do silenciamento que nos é dado nos espaços da vida, do vazio que é como uma mão que nos cala e nos impõe a abraçar um sofrimento psíquico que não nos faz bem. Que vem diretamente da introjeção no saber popular de que o sofrimento deve ser aguentado, deve ser resistido, ou melhor deve ser enfrentado com o silêncio principalmente dentro da comunidade negra. O meu maior propósito com esse texto, que vem em forma de desabafo, é dizer que nós não precisamos sofrer, nós não precisamos viver resistindo constantemente porque alguém nos disse que negro é forte, que negro não pode reclamar, que sofrer e chorar é frescura. É preciso colocar o nosso poder de mudança, o poder do nosso ato de existência além da resistência pura. Por existir sentimos, por sentirmos também sofremos, e por sofrermos precisamos inevitavelmente desabafar.
Por ser uma mulher negra no meio universitário ocupo um lugar de privilégio, porque é muito difícil pra nós negros entrar na academia e sobreviver dentro dela, ainda sei como é ser resistência, em estado constante, no dia-a-dia, o dia inteiro.  Sei que precisamos também de alívio, precisamos também, mesmo com todos os problemas que o campo psi traga, nos permitir a pedir ajuda, nos permitir a soltar o peso enorme que carregamos nos ombros constantemente por cada dia que vivemos com medo de morrer, cada dia que vivemos contrariando as estatísticas. Nós também sentimos.

Imagem destacada do vídeo
This Is What It Feels Like To Be Depressed