Recentemente tivemos acesso aos textos da página wikihow (presentes no final do texto). Textos não apenas machistas, mas de um racismo fora do comum. muitos vão dizer: mas é uma tradução literal, não levem tão a sério, não é uma fonte de informação confiável.

Acontece que infelizmente as fontes de informação sejam confiáveis ou não, não podem servir de veiculo para propagar o ódio, o racismo e a misoginia.

Empoderar mulheres negras tão massacradas é um trabalho longo, um processo que passa pelo coletivo para chegar no individual. Publicações aparentemente inofensivas como esta série de textos afetam a auto-estima das mulheres negras, nos expõe a situações de racismo latente além de impor regras a nossa vida e a nossos corpos.

Um manual sobre como “sair” com uma mulher negra, que ignora ou tripudia sobre a questão da solidão da mulher negra, que usa termos como “não fale como um negro”, independente do contexto social de um país não pode ser lido de outra forma senão como racismo. Não tem o menor cabimento naturaliza-lo.

670px-Be-a-Cool-Scene-Girl-if-You're-Black-Step-1

Sites como o wikihow fazem uso de palavras chave para atingir o maior numero de pessoas, pela facilidade de linguagem e conteúdo altamente ilustrativo chega em jovens, adolescentes e pré-adolescentes negros como se fosse um tiro no meio da cara. Aniquila e apaga quem já luta demais para se reconhecer negro, para se reconhecer belo, para se ver representado em uma sociedade higienista, racista e nada representativa.

Acreditamos que não basta apenas cortar o mal pela raiz, precisamos reparar os danos causados. No caso do racismo é fato que é impossível apagar o que aconteceu, quem sofre com ele o carrega pela vida toda, diferente do manual para combater o racismo que nos pede para não sermos rudes com o racista (?)

Isto posto o Blogueiras Negras inicia hoje uma campanha que pode ser considerada sim uma redução de danos, enegrecendo quem somos, qual o nosso valor e porque não precisamos de regras racistas para nos adequar a sociedade, na esperança de que as pessoas se eduquem sobre nós, nos respeitem mas acima de tudo que nenhuma mulher negra dê um passo atras.

Nenhuma de nós abaixara mais a cabeça, não nos renderemos aos processos de embranquecimento e vamos empoderar sim umas as outras, custe o que custar.

Convocamos mulheres negras a gravar vídeos curtos ou a fazer fotos com as plaquinhas com uma frase de empoderamento para as pretas ou sobre a solidão da mulher negra e isso de “como sair com uma mulher negra” “como ser uma adolescente negra bonita”? Quem fizer uso do instagram publique seu vídeo ou foto com as Hastags indicadas para que possamos localizar e organizar as imagens e vídeos.

Indicativos como seja asseada, alise seu cabelo, use muitos cremes para a pele não são indicados para qualquer outro grupo social, reforça estereótipos ignorantes e é um retrocesso para cada uma de nós. Não somos objetos para existir um “faça você mesmo” para lidar com mulheres negras e racismo. Não aceitaremos ter nossas especificidades banalizadas.

Vamos enegrecer as redes sociais e mostrar que a revolução será negra, ou não será.

Se cada uma de nós empoderar apenas uma outra mulher negra, já estaremos fazendo muito mais do que fizeram por nós até hoje. Então cuidemos de nossas jovens, crianças e adolescentes.

Nosso corpo, cabelo, mente e alma nos pertence e ninguém vai nos parar.

*Para os vídeos de celular por favor utiliza a posição horizontal, reuniremos parte dos videos em um vídeo maior numa grande campanha.

Use as hashtags : ‪#‎TodoPoderParaAsPretas‬‪ #‎BastaDeRegrarAVidaDasPretas #NaoTentemNosEmbranquecer‬ e a ‪#‎BlogueirasNegras‬ para que a gente possa localizar tudo.

 

*Textos localizados no wikihow (não compartilhe conteúdo original, não dê ibope para racista):