“O grito de resistência das lésbicas e bissexuais periféricas não será mais sufocado! Queremos discutir gênero nas escolas, ser respeitadas na saúde e andar nas ruas sem violência.”

 

A Caminhada de mulheres lésbicas e bissexuais de SP é uma construção coletiva entre mulheres. Este ano, as reuniões do Organizativo da Caminhada está acontecendo de forma rotativa havendo uma maior descentralização para que as deliberações pudessem acontecer também em regiões periféricas da cidade.

A participação de mulheres negras e periféricas trouxe para esse movimento, uma proximidade de representatividade e real demanda  das nossas necessidades. Num exemplo de resistência e exigindo políticas inclusivas, denunciando a opressão, a omissão, o racismo, o preconceito, como também a lesbofobia, a bifobia e o machismo.

Uma importante referência dos reflexos desta luta está no fato de que  este ano a caminhada apresenta um feito histórico: pela primeira vez em 14 anos a palavra PERIFÉRICA aparece no tema!

 

Os gt's da Caminhada de lésbicas e bissexuais foram criados para se discutir e auto gerir atividades de minorias que por Ventura não são pautados. O gt de negras foi criado a fim de se discutir dentro do tema "lésbicas e bissexuais " assuntos pertinentes as negras que passam por opressões para além de sua sexualidade

Os gt’s da Caminhada de lésbicas e bissexuais foram criados para se discutir e auto gerir atividades de minorias que por Ventura não são pautados. O gt de negras foi criado a fim de se discutir dentro do tema “lésbicas e bissexuais ” assuntos pertinentes as negras que passam por opressões para além de sua sexualidade

A Caminhada de Mulheres Lésbicas e Bissexuais não traz apenas está novidade no tema, mas também está com a cara diferente: somos em mais preta, mais diversas, e há uma maior representatividade das nossas. Esse trabalho que está sendo feito revolucionariamente pelo GT das negras da caminhada de lésbicas e bissexuais ainda tem muito o que conquistar em assuntos pertinentes a nós, manas pretas. E para que esse empoderamento e apropriação continue, convidamos todas as mulheres lésbicas e bissexuais invisibilizadas: mães, gordas, negras, periféricas, mulheres trans e travestis, para que unam suas vozes e seus cartazes a fim de juntas lutarmos neste dia. Para que novos feitos históricos continuem a acontecer nos meios que são nossos por direito e que precisam de nossas vozes pretas e periféricas. Este é o nosso espaço e devemos juntas ocupar!

Tema da 14a Caminhada de Lésbicas e Bissexuais de SP“O grito de resistência das lésbicas e bissexuais periféricas não será mais sufocado! Queremos discutir gênero nas escolas, ser respeitadas na saúde e andar nas ruas sem violência.”

Data: 28 de maio de 2016 (sábado)

Local de concentração: Largo do Paissandu

Horário da concentração: 14h

Horário de início da caminhada: 18h

Horário de início das atrações no Lardo do Arouche: 18h

**Horário de funcionamento da creche da caminhada: das 14h às 22h